O infinito, de Leopardi

15 set

manoscritto1

“O infinito”, Leopardi

Sempre caro me foi este ermo vale,

E esta sebe, que de toda parte

Do último horizonte o olhar exclui.

Mas, sentado a vislumbrar, o interminado

Espaço, de lá de longe, e o sobre-humano

Silêncio, e a profundíssima quietude

Eu no pensar me finjo, e por bem pouco

O coração não se apavora. E como o vento

Ouço farfalhar nas folhas, eu aquele

Infinito silêncio a esse cicio

Vou comparando: e me sobrevém o eterno,

E as mortas estações, e a presente

E viva, com seus sons. Assim, nessa

Imensidão se afoga meu pensamento:

E naufragar-me é doce nesse mar.

[15.set.2008]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: